domingo, 19 de março de 2017

Comer rezar e amar - filme do mês

Farei um breve review deste que é provavelmente o pior filme que assisti nos últimos anos, e de certo modo me parece que seu sucesso é proporcional ao nível de alienação da realidade que as pessoas vivem.

Dá pra dizer que o filme (provavelmente baseado em um livro pra donas de casa frustradas) é uma peça de desinformação, pois se alguém comum (vulgo quebrado) fizer o que a protagonista faz, vai destruir sua vida financeira e prejudicar outros aspectos da vida tamanha mesquinhez e egoísmo.

A obra segue aquela fórmula das novelas brasileiras que mostra a exceção como se fosse a regra. A palavra dinheiro não é mencionada no filme uma unica vez, e isso é estranho uma  vez que as atitudes tomadas pela Julia Roberts exigiriam bastante recurso.

Tem um blogueiro por aqui na finansfera que prega uma vida parecida, bebendo leite de texugo com índios tibetanos e tem seu saco puxado por isso, vai entender.

A protagonista resolve largar uma carreira estressante de sucesso na  cidade grande para se reencontrar espiritualmente. Até aí tudo bem, não adianta nada levar uma vida ruim pelo motivo errado. A partir de então ela vai viver no "paraíso bucólico" da Itália, interagindo com pessoas estereotipadas e enfrentando "first world problems". Lá acha um namorado novo bonitão e jovem e  acho que casa com ele.

Depois de pouco tempo se enche dessa vida, larga o cara sem muita explicação e volta pra Nova York. Novamente se sente confusa e parte pra Índia em uma nova viagem em busca de iluminação espiritual e se mete em confusões e trapalhadas ridículas com personagens estereótipos. Acho que não casa com ninguém na India mas não tenho certeza. Sei que volta pra Nova York, é perdoada por ter largado o primeiro marido, e depois de um tempo o larga denovo, partindo para uma terceira viagem espiritual em Bali, onde conhece um coroa brasileiro bonitão curtidor de bossa nova e resolve casar com ele também (enquanto enfrenta mais first world problems em um paraíso tropical).

As lições dos gurus são ridículas.

Depois de um tempo adivinhem, larga o cara de coração quebrado.

Não lembro do final mas não importa. Sei que tentaram passar uma lição de que a vida só vale a pena sendo um couch surfer descolado que não se importa com dinheiro (por ter muito) nem com sentimentos dos outros.

Existem essencialmente três tipos de personagens: a mulher que "está certa em buscar paz e felicidade" sem se importar com ninguém;
Os caras bonitões manginas ricos e legais que terão seu coração esmagado;
Os favelados felizes e trapalhões.

Pior que assisti isso no cinema com minha mãe e esposa, e achei que não ia fazer sucesso algum, mas fez.

Provavelmente o leitor do meu blog sentiria raiva assistindo ao filme, portanto fique longe dele. Melhor ir ver o filme do Pelé.

33 comentários:

  1. Esse filme é muito bom. Melhor do que esse de ação (Vingadores, Batman, e etc).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Esse filme é muito bom. Melhor do que esse de ação (Vingadores, Batman, e etc)."

      Só nos seus sonhos né. De Einsten só no nome mesmo. Chega a ser uma blasfêmia sua colocação.

      Se vingadores, batman e outros filmes do gênero fosse ruim não faria o sucesso que fez e que ainda continua fazendo batendo records e records de bilheteria.

      É cada sequelado que me aparece

      Excluir
  2. CF,

    Já ouvi falar desse filme, e não tive a mínima vontade de assistir ele... E também sei MUITO bem quem é o blogueiro que você citou, rsrs.

    Ele mete o pau nos EUA, como todo bom esquerdista, mas já disse que se tivesse que escolher UM lugar para morar, seria a Califórnia.

    Dizer o que de uma figura dessa?

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O cara escreve textos pra reforçar seu viés de informação...

      Excluir
    2. Deixe de picuinha por trás. Coisa de mulherzinha. Tenha coragem de ao menos citar o nome do blogueiro, IL.

      Excluir
    3. Investidor Livre, barrei seu último comentário pra não prosseguirmos com isso.rs
      abraço!

      Excluir
  3. Não sei porque a surpresa, já que escrevi sobre isso em tópicos anteriores ao qual fui acusado de ser radical em minhas colocações , afirmei que EUA caminhava passos largos para semi socialismo.

    Hollywood tem uma agenda progressista basta ver o que rolou na festa do Oscar.

    A indústria do entretenimento esta tomado por estrategistas do gradualismo.

    Conhece o conceito de janela de Overton? Se conhece sabe que a indústria cultural sempre foi usada para induzir opinião pública em pró de políticas sociais ou coletivista, políticas as quais boa parte da massa acéfala não possui ciência dos desdobramentos posteriores.

    Usar emoção para sobrepujar a razão e fomentar o mi mi social.

    Portanto se trata da mais simples e pura lavagem cerebral!

    O conceito de espiritualidade com dinheiro alheio é levado extremo neste segmento.

    Geralmente protagonista é um típico apatetado com bastante dinheiro que se cansa do meio corporativa e resolve sair mundo fora para buscar sua indentidade espiritual.

    - Até aqui não há nenhum problema visto que ninguém gosta do meio corporativo, porem protagonista ou herda dinheiro ou possui fontes exorbitantes de dinheiro para fazer suas maluquices mundo a fora, tendo vista que nenhum momento se fala da onde sai as fontes de recursos para todas estas viagens.

    Na outra ponta nunca se fala da agenda do trabalha e da construção de dinheiro.
    Isso lembra bastante agenda social democrata, aonde existe um mundo sem escassez relativa, seres humanos similares a anjos imaculados etc.

    Resumindo totalmente fora da realidade!

    Como todo materialista histórico revolucionário , sempre se projeta uma revolução silenciosa para o futuro .
    Amanhã tudo será melhor etc se esquecendo do passado ou do presente, principalmente quando surgem indicações posteriores que refutem veementemente tais aspirações.

    O protagonista geralmente é: fútil, volúvel, apatetado ou incapaz de estudar implicações de um determinado assunto com profundidade.

    Os disparates são quase sempre emocionais ou não baseados em estatísticas que refutem tais alegações.

    Nenhuma decisão é tomada usando como base racionalidade! Vide matemática.

    Tudo se trata do coração, emoção etc etc etc

    Resultado a maior parte fica na miséria depois de anos vivendo uma vida nababesca com recursos da família ou de terceiros acabando por não encontrar o que tanto procuravam.













    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Excelente comentário, Mestre. É bem essa a ideia desses filmes utópicos hollywoodianos.

      Excluir
  4. "Não se importa com dinheiro por ter muito dinheiro". Lembrei do filme Aviador (esse um filmaço) onde o protagonista senta pra jantar com uma família artística que se diz socialista. Pois bem, numa parte da conversa, a mulher da casa diz que lá não se importam com dinheiro, e ele, um empresário visionário (de cinema, de aviões pras massas), diz que eles não se importam por terem. Fica um clima ruim e logo acaba o jantar. haha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara um dia vou falar desse filme. Esse cara era muito corajoso e me lembra Ayn Rand. Deve ter sido influenciado pelo objetivismo.
      Filmaço.

      Excluir
    2. esse filme é fodástico! um dos meus prediletos!

      Excluir
  5. Buenas, CF. Acho que no ano passado tentei assistir a esse filme, mas achei muito chato e não lembro até que parte assisti. Pelo visto não perdi nada - isso que sou um pouco cinéfilo.

    Abraço e sucesso!

    ResponderExcluir
  6. Cheguei a assistir esse filme, não sei se integralmente ou parcialmente.

    De fato é pra dona de casa frustrada, moças que acabaram de terminar namoro e querem se redescobrir e mulheres com crise de identidade.

    Sei que parece um comentário machista, mas é verdade. O objetivo do filme é ser muleta emocional para mulheres, e não haveria problema nenhum nisso se não fosse a fórmula nociva que ele propõe: "larga a sua vida e vai viver!!", como se fosse simples assim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Imagine a crítica de um filme onde um homem fizesse o mesmo com as mulheres e passasse curtindo a vida sem rumo.

      Excluir
  7. Gosto é gosto né, mas não entendo porque blogueirOS assistiram uma merda dessa...
    Se você ler a sinopse ou assistir o trailer já vai saber que é um filme para mulheres frustradas. Mas não contente, vocês resolvem perder 1:30-2:00 com esse filme!?

    Há um tempo atrás o Burguês Inglório fez um post com uma bela lista de filmes a serem assistidos. Procurem que vale a pena!

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fiz uma atividade junto à minha mulher e minha mãe, e a gentileza de lhes deixar escolher o filme.

      Coisa totalmente normal.

      Excluir
  8. Eu acho que o blogueiro bebedor de leite de texugo em questão tem muitos pensamentos bostileiros.... entendedores entenderão... XD

    ResponderExcluir
  9. Olá!

    Ai, que filme bosta! Odeio esses filmes pra ~mulherzinha~ e odeio ainda mais esses "dilemas" de gente rica. Ri litros com o post e lembro que há um tempo até pensei em ler o livro (prefiro ler a ver filme) mas com essa review aí até desanimei hahaha

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  10. Lembro de ter começado ver este filme, influenciado por alguns críticos, mas acho que não passei do minuto 15, chato demais. Bom mesmo será o novo filme da Paolla Oliveira... http://abacusliquid.com/filme-do-plano-real/ rs
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que esse filme vai ser legal mesmo. Gosto de ouvir o Gustavo Franco.
      Abraço

      Excluir
  11. Eu até gosto de uns filmes que mostram vidas leves e diferentes, tal como A good year/Um bom ano(indico!), onde um bitolado em dinheiro como nós fica em cima do muro sobre a decisão de morar em uma chacara vivendo com o suficiente ou trabalhar até como um louco no mercado financeiro, mas concordo com você, esse aí especificamente é um horror sem fim, acho que é voltado para atingir o publico alvo feminista.

    Grande abraçoo CF!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não conheço esse filme, vou assistir. Também gosto de filmes que tenham alguma lição valiosa ou instiguem a pensar, e justamente decidi falar do Comer Rezar e Amar por ser um exemplo de filme merda sem valor algum.
      Grande abraço!

      Excluir
  12. O blogueiro do leite de texugo agora escreve "peças"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. KKKK eu vi anon eu sou o anon da dica sobre ele, o cara tá muito pertubado querendo dizer que os livros da randy não são bons por causa de UM paragrafo... o cara realmente virou um comunista

      Excluir
  13. Voce nao assistiu o filme, post deveria ser refeito. Esse filme e veridico e conta a historia de vida de uma escritora que por sinal casou-se com um brasileiro. A questao financeira e tratada no divorcio, bem no inicio do filme. Houve planejamento por parte dela para passar 3 meses em 3 paises em busca da paz perdida na separacao. Quem planeja pode e deve priorizar o que realmente lhe importa. Decepcionada com o fato do post conter tantas inverdades sobre a historia. Busque saber!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Marcia,
      assisti ao filme duas vezes. Uma no cinema e outra na TV, da segunda vez sem conseguir prestar muita atenção, confesso, pois achei essa história uma enorme porcaria.

      Você tem razão, lembrei agora da questão financeira ter sido tratada - de modo bastante vago (acho que não toma 5 segundos do filme). De resto acho que minha análise foi bastante fiel.

      Excluir